“Algumas reflexões sobre The Sensory Order de F.A. Hayek”, de Bruce Caldwell

Traduzido por Guilherme Ribeiro. [Retirado de Caldwell, B. Some Reflections on F.A. Hayek's The Sensory Order. Journal of Bioeconomics 6, 239–254 (2004).] ABSTRACT:[1] Embora F.A. Hayek seja conhecido principalmente por seu trabalho em economia, ele também fez contribuições, positivas e críticas, para o campo da psicologia. Sua peça mais importante no último campo é seu … Continue lendo “Algumas reflexões sobre The Sensory Order de F.A. Hayek”, de Bruce Caldwell

“A Justificação da Dedução”, de Susan Haack

Traduzido por George Agrippa Soros. [Retirado de S. Haack, 1976, The Justification of Deduction, Mind, vol. 85, no. 337, 112–119.] (1) É frequentemente tomado como certo por escritores que propõem – e, nesse caso, por escritores que se opõem a – "justificações" da indução, que a dedução ou não precisa, ou pode ser prontamente provida, … Continue lendo “A Justificação da Dedução”, de Susan Haack

“Contra a Certeza Absoluta”, de Ilja Schmelzer – Parte 1

Traduzido por Fabrício.[Retirado de https://ilja-schmelzer.de/papers/againstCertainty.pdf.%5D Conteúdo da Parte 1 Introdução Contradições performativas 2.1 A irrelevância de simples contradições performativas 2.2 Contradições performativas inevitáveis ​​como argumento contra teorias filosóficas 2.3 A fraqueza das contradições performativas 2.4 A teoria do consentimento da verdade como pressuposição 2.5 O status das contradições performativas na teoria da correspondência da verdade … Continue lendo “Contra a Certeza Absoluta”, de Ilja Schmelzer – Parte 1

“O ensaio ‘Scientism’ de Hayek e os Aspectos Sociais da Objetividade e da Mente”, de Diogo de Melo Lourenço

Traduzido por Fabrício.[Retirado de http://wps.fep.up.pt/wps/wp560.pdf.%5D 1.) Introdução As três partes de F. A. Hayek (1942, 1943b, 1944) em Scientism and the Study of Society fizeram parte de um projeto (abortado) mais amplo sobre o que ele chamou de The Abuse and Decline of Reason (cf. Caldwell, 2010: 3). Existem tantas interpretações de seus argumentos que … Continue lendo “O ensaio ‘Scientism’ de Hayek e os Aspectos Sociais da Objetividade e da Mente”, de Diogo de Melo Lourenço

“Uma Prova do Livre Arbítrio”, de Michael Huemer

Traduzido por George Agrippa Soros. [Retirado de http://www.owl232.net/papers/fwill.htm.%5D ABSTRACT: Uma tese modesta do livre arbítrio, afirmando que, pelo menos as vezes, alguém tem mais de um curso de ação aberto a ele, pode ser derivada de três premissas: primeiro, a proposição que devemos acreditar apenas no que é verdadeiro; segundo, o princípio do ‘dever’ ('ought') … Continue lendo “Uma Prova do Livre Arbítrio”, de Michael Huemer

“A Falácia Central da Economia Keynesiana”, de Robert F. Mulligan

Traduzido por Fabrício.[Retirado de https://mises.org/library/central-fallacy-keynesian-economics-0.%5D A política keynesiana de estímulo é, em algum sentido, justificável? A literatura substancial argumenta que ela é e, além disso, tem sido eficaz e continuará sendo necessária no futuro, embora tenha sido provada repetidamente ser ineficaz, tanto empiricamente quanto politicamente. No entanto, continua sendo a pedra angular da política econômica … Continue lendo “A Falácia Central da Economia Keynesiana”, de Robert F. Mulligan

“Sobre a própria ideia de um ‘terceiro dogma'”, de W. V. Quine

Traduzido por L. Taube. [Retirado de W. V. Quine, 1982, Theories and things, Cambridge, MA: Harvard University Press, 38–42.] Verdade, significado e crença são conceitos atrelados. Eles ficam juntos grudados. O significado e verdade estavam, de alguma forma, intimamente relacionados como evidentes desde de antes do epônimo inquérito de Russell [1], mas coube a Davidson … Continue lendo “Sobre a própria ideia de um ‘terceiro dogma'”, de W. V. Quine

“Juros, Roundaboutness e Ciclos Econômicos: um estudo empírico”, por Mark Gertsen

Traduzido por Fabrício.[Retirado de https://mises.org/library/interest-rates-roundaboutness-and-business-cycles-empirical-study.%5D [Nota]: Para obter melhor compreensão do artigo abaixo, recomendo uma leitura prévia sobre a Macroeconomia Austríaca da Estrutura de Produção. A influência das taxas de juros na estrutura de produção da economia é um conceito-chave dentro da teoria austríaca. Em particular, os bancos centrais que estabelecem taxas de juros são … Continue lendo “Juros, Roundaboutness e Ciclos Econômicos: um estudo empírico”, por Mark Gertsen

Sobre as expectativas na Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos

O argumento padrão da teoria das flutuações cíclicas de Mises-Hayek, também conhecida como Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos, postula um aumento nas reservas bancárias, criadas por um banco central, que impõem uma barreira entre a poupança nominal disponível para investimento e a poupança real com base nas preferências temporais dos participantes do mercado. Esse aumento … Continue lendo Sobre as expectativas na Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos

“Os Seis Estágios da Criação do Estado”, de Franz Oppenheimer

Traduzido por George Agrippa Soros. [Retirado do capítulo 1 de The State: Its History and Development Viewed Sociologically.] [N. do T.]: Mantive os nomes dos povos e tribos grafados com letra maiúscula, porque, além de facilitar a leitura, muitos não são facilmente traduzidos e foram deixados na língua do texto fonte. Na gênese do Estado, … Continue lendo “Os Seis Estágios da Criação do Estado”, de Franz Oppenheimer